8 regras de comunicação consciente que resolverão a maioria dos seus problemas no trato com outras pessoas

8 regras de comunicação consciente que resolverão a maioria dos seus problemas no trato com outras pessoas

comunicação-supleno-blog

É impossível aprendê-la na escola, embora pertença a uma classe das habilidades mais importantes de nossas vidas. Cada um de nós aprende isso, no entanto, existem poucos professores que ensinam isso. Não há nada sobre isso em programas de TV, mas é usada em todos os lugares. A sobrevivência da espécie depende de sua qualidade. Os animais e tribos que a operam melhor dominam sobre os outros.

A grande maioria das pessoas está inconsciente disso e isso está automatizado na vida deles. Isso não dá qualquer chance de mudar hábitos aprendidos na infância. É sobre comida? Sobre a respiração? Não. Trata-se de uma comunicação consciente. Neste artigo, você descobrirá como as regras a seguir reduzem significativamente o número de erros de comunicação que são cometidos inconscientemente pela grande maioria das pessoas.

1. O que você diz é possível executar?

A regra número um – se você diz algo, deve ter certeza que pode executar o que está sendo dito. Caso contrário, a comunicação verbal não pode ser realizada. Se você ouvir: “Esqueça o número 4”, não será capaz de executar isso porque o processo de esquecimento não é possível. Este comando faz exatamente o efeito oposto – uma pessoa se lembra do que é suposto ser esquecido e, em consequência, reforça a informação que deve ser removida. A situação é semelhante quando se trata de pais conversando com seus filhos: “Seja bom” (ou qualquer outro adjetivo). O verbo “ser” não é factível, porque é impossível “não ser”. As crianças não entendem isso e ficam confusas, deixando os pais confusos também. Tente apontar o que você realmente quer dizer e tenha certeza de que é possível fazer isso, a fim de obter resultados físicos.

2. O que você diz é expresso precisamente?

“Seja bom”, “Comporte-se”, “Motive-se”. Você sabe o que isso significa? Não, pois essa comunicação é privada de precisão e por isso é possível interpretá-la de muitas maneiras diferentes. Como resultado esse tipo de comunicação te traz qualquer resultado completamente diferente do esperado. Em vez de “seja bom” diga a criança exatamente o que você quer, por exemplo: “coloque o brinquedo na prateleira com outros brinquedos”. Em vez de “comporte-se”, diga “Por favor, fale mais baixo”. Não exija “motive-se” porque é impossível entendê-lo. Tente sugerir para o outro para ficar em pé, falar alto e falar sobre uma situação em que ele sente entusiasmo. O que você diz deve ser expresso com precisão – esta é a regra número dois.

3. O que você diz é expresso positivamente?

Você está oferecendo algo para beber a alguém, então oferece uma xícara de café. A resposta é “não, obrigado”. Então você oferece um chá. Novamente você ouve um “não, obrigado”. Suco de laranja? “Não”. Um shot de vodka? “Não”. Quanto tempo você precisa para ficar irritado? A negação em si é reativa – refere-se à realidade que já existe sem a criação de um futuro construtivo, deixando o interlocutor sem a possibilidade de resolver o problema. Particularmente, isso tem as suas consequências para as crianças que ouvem o que não fazer, pois assim elas não serão capazes de desenvolverem atitude pró-ativa na busca de soluções. Além disso, o cérebro não reconhece negações – a sugestão de que você não deve pensar em um elefante rosa termina em fracasso, porque o cérebro processa o que você ouve (apesar da negação). Da próxima vez, se alguém lhe disser “Eu não quero me apegar a você, mas…”, isso significa, obviamente, que ele ou ela quer ser como um carrapato em sua vida. Ao invés de dizer ao empregado “Não fale com o cliente desta forma”, explique como exatamente você quer que ele fale com essa pessoa. Esta é a regra número três – o que você diz deve ser expresso de forma positiva.

4. O que você diz é uma mensagem para o outro ou para si mesmo?

“Entenda isso”, “Ouça o que estou dizendo”, “Sinta o que…”. O outro lado não é capaz de compreendê-lo como você deseja ser compreendido, porque isso só pode ser feito por você. Ninguém pode ser responsável pelos processos mentais e emocionais da outra pessoa, porque é sempre você quem decide em última instância o que sente e pensa (independentemente do fato de que o interlocutor seja um estímulo). O outro lado também não pode saber o que você quer dizer e não pode ser sentido como você deseja. No entanto, ele pode entender você em sua própria maneira, como ele imagina, sente e interpreta, isto é, de acordo com filtros cognitivos próprios. Se você compreender a si mesmo, sabe que tipo de mensagem deseja entregar e assim será possível entregar a mensagem para o outro lado. A regra número quatro é lembrar que você tem que tomar a responsabilidade para si e dá-la a outras pessoas.

5. O que você diz é uma descrição dos fatos mensuráveis ou é uma leitura mental?

“Eu vejo que você está se sentindo para baixo hoje, triste com algo”. Não, o que você vê são lágrimas causadas por cortar a cebola.

“Eu sei o que você vai dizer agora”. Não, você não sabe. Você apenas se lembra de uma situação semelhante e o que eu disse da última vez.

“Esta foto me diz que você foi infeliz naquele tempo”. Não, fotos não dizem. É apenas a maneira que você interpreta e então coloca sua interpretação nesta foto. É um erro de atribuição (fotos não têm capacidade de falar) e projeção (crença, que nós pensamos exatamente o mesmo que o nosso interlocutor).

Na verdade, a leitura dos processos mentais é difícil (até hoje não foram encontradas na psicologia soluções claras para, por exemplo, a linguagem do corpo) e na comunicação isso é ainda mais limitado – na prática é quase sempre impossível. Estima-se que a grande maioria das comunicações via e-mail é distorcida – isso significa que a recepção da mensagem é diferente da intenção do autor.

No entanto, a descrição de fatos é objetiva e ajuda a evitar muitos conflitos, como por exemplo, o tratamento de seu próprio julgamento como uma descrição objetiva da realidade. Este erro pode ser visto no exemplo a seguir:
– Você parece nervoso
– Não, eu não sou.
– É mesmo? Eu posso ver que você é.

Portanto, lembre-se sobre a regra número cinco de comunicação consciente – descreva fatos mensuráveis em vez de tentar ler mentes.

6. O que você diz descreve como você se sente ou é um ataque ao outro?

Normalmente, o ataque ao interlocutor leva a envolver-se em seus mecanismos de defesa do ego, para a proteção da autoimagem. Dizer ao parceiro “Você não me ama” provavelmente causará uma negação (Mas eu te amo), uma retaliação (Você sempre me tem aqui!), uma escalada do conflito (Quantas vezes você vai inventar problemas que não existem?). É melhor você começar a falar sobre seus próprios sentimentos em vez de atacar. É de caráter educativo, informativo e é seguro para a integridade do interlocutor. No exemplo acima, em vez de “Você não me ama”, a mensagem “Ontem, você disse que eu não fiquei bem neste vestido, eu me senti triste” seria mais eficaz. O interlocutor poderia dizer que aquela não era a intenção e em seguida você pode esclarecer dizendo “Eu entendo isso e eu estou feliz que você tinha outras intenções. Ao mesmo tempo eu entendi dessa forma”. A regra número seis o protege de conflitos. Certifique-se de quando você descreve seus sentimentos, não ataque o interlocutor.

7. O que você diz se refere à pessoa ou ao comportamento?

Falar sobre o ser humano é sempre uma generalização, normalmente se está generalizando casos individuais. Este nível de avaliação – independentemente do resultado positivo (Você é muito inteligente) ou negativo (Você é completamente estúpido) – cria uma imagem irreal de si mesmo na cabeça do interlocutor. Irreal porque cada homem teve seus momentos em que ele se comportou como uma pessoa brilhante ou estúpida (dependendo da opinião de uma pessoa, pois não existem critérios objetivos de inteligência e estupidez). Esta imagem forma um sentimento determinado de autoestima e a própria mensagem descreve aparentemente a realidade que não permite alterações. Se alguém é “estúpido”, é impossível fazer qualquer coisa com ele. Portanto, é mais eficaz quando nos referimos ao comportamento do interlocutor, porque é mais fácil mudar um comportamento do que a personalidade. Ao invés de dizer “você é estúpido”, diga “Antes de ver o cliente, por favor, leia mais sobre a empresa que você vai visitar”. Em vez de dizer “você é sábio”, diga “Quando você expressou sua opinião sobre esse filme, me inspirou a vê-lo”. A regra número sete ensina a falar sobre o comportamento das pessoas não sobre si mesmas.

8. O que você diz é de caráter direto ou tem uma intenção oculta?

“Querida, não têm quaisquer outros vestidos lindos?”. Não é uma pergunta sobre outros vestidos, mas é um comentário negativo sobre este em particular. Palavras como “O que diabos você está pensando?” Não visam saber a opinião do outro lado, mas visam à expressão de frustração. As mensagens com duplo sentido expressam conteúdo que é diferente da real intenção do interlocutor, reduzem a confiança do interlocutor adulto e não são compreendidas pelas crianças. Construir relacionamento sem confiança é impossível. Quanto mais direta a mensagem (seguindo as devidas regras de correção social e sensibilidade do interlocutor ao feedback) mais honestidade e facilidade na aceitação de uma mensagem positiva. Sendo assim, a regra número oito – se você deseja entregar sua mensagem, deve ser claro e direto.

A implementação destas regras exige uma prática sistemática. Alguns desses erros de comunicação (por exemplo, dizendo empregados ou crianças o que não fazer) são tão prevalentes e, apesar de sua disfunção, eles são considerados um “padrão”. Felizmente, cada habilidade pode ser praticada e a melhor maneira de realizá-la é se concentrar em uma técnica por pelo menos uma semana. Claramente, o número de enganos e os conflitos serão reduzidos.

Autoria: Mateusz Grzesiak

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *